quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

O CONSUMIDOR NO PONTO DE VENDA COMPRA SEMPRE?

Foto: Pinterest

Cada marca, num determinado ponto de venda, seja ele de que sector for (moda, grande consumo, electrodomésticos, etc) tem de se saber destacar. Destacar a marca num ponto de venda multimarca ou destacar um produto numa loja própria.
A partir daqui dá-se um fenómeno interessante e cativante, que é a procura por uma imensidão de respostas de forma a corresponder na sua plenitude às suas necessidades até ao momento da compra.

São imensos os critérios e elementos preponderantes para a tomada de decisão que obedecem a propostas de marketing, design, campanhas, de marca.

Por norma, quando um cliente chega ao ponto de venda pela marca, é fiel, tem um conhecimento imenso do produto e está à espera de encontrar o que procura ou de ser surpreendido para que as suas expectativas sejam superadas e alimentar a sua fidelização.
Como tal o produto deverá ter uma disposição funcional em lineares atractivos com fácil acesso à pré-experimentação (provadores, por exemplo), e a luz é um factor essencial para realçar o produto e para reproduzir a verdadeira forma de utilização do produto.

Por via da campanha, esta deve estar num local capaz de chamar à atenção, mais uma vez facilitando todo o percurso do consumidor. Hoje em dia com a massiva exposição dos media, a campanha tem um nível de percepção imenso e o cliente já memorizou tudo que a envolve e, claro está, o seu “objectivo de campanha”.

Já o design, se for ao nível do produto, prima pela sua funcionalidade, cor, impacto ou utilidade para o consumidor, o design de comunicação cativa pelos elementos gráficos e a utilização das cores certas que se associam a emoções diferentes, garantido o interesse imediato.

Por último, o marketing. Este processa o “elemento pensante”, ou seja, se o objectivo é levar o consumidor ao ponto de venda qual o caminho que a marca terá de percorrer até chegar à decisão do cliente e depois conseguir que ele volte?
Ou seja, todos os elementos de merchandising presentes no limiar da compra são comparáveis ao momento em que o jogador de futebol inicia o chuto para a baliza, ainda existe uma série de processos que são necessários ter em conta.

A Q'ria Ideias junto dos seus clientes desenvolve todo este processo, que além da análise de dados é também extremamente criativo, na implementação de novas lojas, remodelação, rebranding, etc.
Regina Blessa, reconhecida especialista em merchandising refere que "merchandising é qualquer técnica, acção ou material promocional usado no ponto de venda que proporcione informação e melhor visibilidade a produtos, marcas ou serviços, com o propósito de motivar e influenciar as decisões de compra dos consumidores" (Merchandising no PDV, 2001)

Conclusão, o consumidor compra sempre que a marca quiser!

Veja todos os nossos trabalho neste âmbito o nosso site ou facebook:
www.facebook.com/qriaideias
www.qriaideias.com

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

COMO ESCOLHER O LOCAL PARA O EVENTO DA SUA EMPRESA?



Seja qual for o seu evento o local é palavra de ordem! Ora tudo se resolve com perícia e um pouco de adequação prática. Todos os departamentos de marketing ou gestores de empresa revelam por vezes grande aversão a este tema numa infindável maratona de ponderação e interrogações.
Nada mais simples do que estruturar um pequeno briefing, essa é a base de todos os acontecimentos!

Acontecimentos esses que terão um local. Este é o ponto de partida! Essencial para a equipa organizadora ou empresa criativa, que é o nosso caso.

Os locais poderão ser óbvios pela prática comum, ou seja, pela constante repetição ou pela referência de outras empresas. Aqui nos dizem “Vamos fazer aqui porque a empresa “X” fez e foi um sucesso”. Ora, por vezes o sucesso alheio poderá ser a nossa desgraça, ou não!
Se optarmos pela diferenciação, os nossos eventos podem atingir patamares de criatividade absolutamente surpreendentes, levando-nos a afirmar “Como é que é possível!” ou “Que excelente ideia”.
Portanto, o local poderá ser o início de uma acção surpreendente.

No entanto, apesar de ser importante o local ser diferenciador, é importante que responda a características como a localização! Tem de ser um local central, com boas acessibilidades, e sobretudo tem de ter parque de estacionamento. Tem também de aliar a modernidade ao conforto, e, dependendo do tipo de evento, tem de responder a determinadas características de infra-estrutura que na maioria dos casos, pouca gente se lembra. Pontos de luz, questões de audiovisuais, etc.

Após a sua escolha, deve recolher opinião de algumas pessoas, quase como um focus group, com intuito de medir a taxa de conforto, admiração e receptividade.

A Qria Ideias é experiente neste campo e já surpreendeu pessoas a todos os níveis.
O lançamento de espaços comerciais, congressos, apresentação de novas colecções, lançamentos de marcas são iniciativas já proporcionadas e repletas de sucesso.
Por norma, um bom briefing é o que necessitamos.

Escolha o local do seu evento connosco.


Acompanhe todos os nossos trabalhos em:
facebook.com/qriaideias
qriaideias.com

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Identidade Corporativa vs. Marca Activa

Ano Novo, Vida Nova! Será 2015? Porque não...

Quer para o si que é novo empreendedor ou para a sua empresa que pretende um rebranding para “novos mundos” o ponto de partida será inevitavelmente a sua marca. Como é que os outros o vão conhecer? Como se vai chamar? Quem pretende atingir? Como quer ser conhecido? Representa a necessidade do cliente?

São todas questões que um criativo coloca para um trabalho de activação de marca, assim como na execução criativa de uma Identidade Corporativa.
Esta linha de identificação, inicia no logótipo e termina no seu cartão de visita, para que haja uma boa condução de elementos que leve à garantia e confiança na marca por parte de um cliente, e claro está da sua identificação aliada ao produto ou serviço que vende, ou ao seu Core Business.

Uma empresa para funcionar tem que ser vista como um ser vivo. Quanto mais natural for, dentro dos possíveis, mais proveitoso será. Senão vejamos, quando nascemos temos um nome, ora uma marca/empresa também. Somos únicos pelas impressões digitais, ora uma empresa também pelo seu logótipo. Temos o nosso estilo e esse é o nosso cartão de visita. Quanto à empresa acho que já percebeu!
Um profissional além destas noções e poder de humanizar uma marca desenvolve uma série de critérios com base nas tendências, é conhecedor, e sabe que um nome não basta, muito menos quando este é escrito no “Word” e... Voilá! Surge um logótipo.

Já pensou no nome da sua empresa? Nós ajudamos!!

Acompanhe todos os nossos trabalhos em:
facebook.com/qriaideias
qriaideias.com

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Luz, Câmera, Montra, Acção!



Como em todos os trabalhos criativos todos os pontos são importantes para o objectivo base que é dar a conhecer ao consumidor e/ou apelar à satisfação das suas necessidades.
O vitrinismo não foge à regra e revela-se cada vez mais um motor de amplas decisões, desde a reacção ideal (entrada na loja) ao desenvolvimento do “momento zero”, limiar de tempo em que a pessoa desenvolve maior interesse pela marca ou produto e passa imediatamente a pesquisar, via tablet ou smartphone.

Hoje em dia, uma montra terá que representar uma explosão de emoções e interactividade. Quando vamos ao cinema ou ao teatro o filme ou a peça não se pode reduzir à imagem, à posição ou altura, terá que passar para quem assiste um mundo de sensações que o irá fascinar e fazer com que este processe o “word of mouth”, o mesmo acontece com a montra. Quem se depara com ela, tem que tomar a decisão de compra ou ficar com a marca no seu inconsciente.

Com o avanço tecnológico e estudos realizados nesta vertente é possível desenvolver um excelente trabalho criativo.
É muito importante uma iluminação eficaz e bem controlada, porque pode ser o mote para a venda de um determinado produto exposto, criando assim uma impressão favorável e apelativa. Se a iluminação for bem executada, pode conduzir os olhos e a atenção do consumidor e destacar o produto ao nível da cor, textura, estilos e detalhes, enfatizando a qualidade do mesmo. Pode assim evidenciar o produto/objecto, focar o produto, “eliminar” cantos, delinear contornos ou criar sombras.
Ou seja, se a marca pretender evidenciar um determinado elemento, consegue quase com que este se torne leve, ganhe proximidade e voo para as mãos do cliente.

Fantástico não era? Bom, isso hoje é possível e muito mais com a realidade aumentada e montra interactiva criando momentos de larga diversão como este exemplo que colocamos neste vídeo.
Veja a importância de uma montra e de um trabalho profissional!


Acompanhe todos os nossos trabalhos em:
facebook.com/qriaideias
qriaideias.com

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Marketing de Guerrilha Outdoor


Fonte: criatividadevisual.com

Porquê fazer uso criativo de uma meio de comunicação deste tipo? Em que momentos utiliza-lo? É eficaz?

A comunicação está em constante movimento e inovação, e a motivação é sempre a mesma, surpreender o nosso cliente ou potencial-cliente.
Expressar o momento como a Coca-Cola, levar a pessoa a sentir uma sensação como a RedBull ou simplesmente familiarizar-se com o borbulhar das Pedras Salgadas, são estratégias comunicacionais que levam o cliente a interagir, durante uma fracção de segundos, com algo único e que ficará na memória, levando-o a recordar numa próxima interacção com a marca.

Vejamos esta imagem. Mais criativa e emocionante não podia ser. A pessoa que se depara com este Outdoor sorri e de certeza absoluta que diz “Devia ser engraçado se fosse real!” ou “Este filme deve ter uns efeitos especiais óptimos...Mas vamos sair daqui rápido!!”.

Ora, é indispensável um criativo para este efeito, mas será que se deve utilizar sempre este género de comunicação?

Na Q'ria Ideias desenvolvemos muito mais que boas ideias.


Acompanhe todos os nossos trabalhos em:
facebook.com/qriaideias
qriaideias.com

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Natal na Montra!

Natal, Natal, Natal! A época do ano com mais afluência nas lojas, ínfimas filas no trânsito, no shopping, nos passeios, onde o seu cliente está disponível para entrar na sua loja com disposição para comprar!

Bom não é?! Efetivamente sim! Porém existem padrões que motivam esta iniciativa. A sua vitrina tem que ser apelativa e obedecer a padrões que realmente faça o cliente sentir o cliente.
Então abordemos alguns.

As tendências no Natal também se fazem sentir e não ficam distantes da criatividade, é necessário reinventar, criar novos conceitos. Tal como a imagem que vemos, usando os dourados e os castanhos, bem como o vermelho, criar um ambiente natalício mas não o expressando declaradamente, com adornos característicos, por exemplo. Ou seja, o castanho do tronco da árvore, o dourado associado às estrelas e decoração da tradicional árvore de natal e, finalmente, o vermelho, cor associada à época e eternizada pela Coca-Cola, pela introdução de S. Nicolau, ou Pai Natal como é conhecido.

É criado um elemento global com o qual o cliente se identifica, supera as suas expectativas por ser algo inovador, criativo e elegante, surpreendendo-o e levando-o a “investigar” o que mais existe naquele ambiente acolhedor.

Desejamos boas compras e de preferência numa loja com Montra Q'ria Ideias.


Acompanhe todos os nossos trabalhos em:
facebook.com/qriaideias
qriaideias.com

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Vitrinismo: Shopping vs Comércio de Rua


Há algumas diferenças no que toca à concepção e decoração de montras quando se tratam de lojas de rua, o chamado comércio tradicional, ou lojas de shopping.
No caso dos centros comerciais, as montras das lojas estão mais protegidas, são mais controladas e muitas vezes é possível trabalhar além do vidro e criar efeitos de interacção com o publico, que nem sempre são possíveis em lojas de rua, como por exemplo as amostras de tapetes colocadas pela Q’ria Ideias no vidro das lojas Soraya permitindo que as pessoas tocassem e experimentassem as texturas, num âmbito de marketing sensorial.
Por outro lado, as lojas de rua não têm os horários rígidos dos shoppings e permitem trabalhar a qualquer hora do dia, com uma descontracção que não existe nos centros comerciais, o que muitas vezes é um incentivo à criatividade.
Em termos de produção, há que ter um cuidado redobrado nas escolhas dos materiais quando se trata de uma loja de comércio tradicional. Tem que existir uma análise prévia das condições a que a montra está sujeita, por exemplo a exposição solar, para que passados alguns dias a montra se encontre como no primeiro dia. Se for uma montra com muitas sombras, há que ter cuidado na escolha das cores, opta-se sempre por cores claras.