quarta-feira, 27 de abril de 2016

COMO TER UM DIA PRODUTIVO


Está a ter um dia longo? Tic tac tic tac... as horas estão a custar a passar? Mau humor? Então este texto é para si!
Depois de ler as nossas dicas para atingir a produtividade máxima no trabalho o seu dia nunca mais será o mesmo. Ora veja:

- Chegue ao escritório e leia as notícias do dia para ficar a par do que se está a passar no mundo.

- Tome o seu café (não exagere na dose!) e vá mantendo o estômago cheio – se estiver com fome vai ficar mais casmurro! Estômago composto = boa disposição.

- Tenha um bloco de notas sempre à mão, assim pode anotar tudo o que é importante (para não se esquecer) e também para o caso de alguma ideia brilhante surgir, podem ocorrer a qualquer altura e convém estar preparado.

- Priorize as suas tarefas e crie uma checklist para conferir que tudo foi feito de forma correcta.
Trabalhe com foco em objectivos, vai ajudá-lo a estar mais concentrado e orientado.

- Saiba ouvir os colegas e tenha uma atitude positiva. Um sorriso ajuda até nas piores situações.
Não encare eventuais discórdias com ataques pessoais – relativize e pense que é apenas uma diferença de visões.

- Doseie a sua navegação nas redes sociais! Pode ser importante um pouco de descontracção, mas não em excesso. Aproveite para ir falando com os seus colegas e ajude a animar o ambiente.

- Se for possível, ouça as sua playlist preferida ou, simplesmente, o rádio – de vez em quando pode cantar (isto se tiver boa voz e se não estiver a perturbar ninguém!).

- Respeite os clientes e saiba ouvi-los. Eles são a razão central do seu trabalho.

Se fizer tudo isto irá, com certeza, voltar para casa com um sorriso na cara, a pensar como o dia foi produtivo e correu bem.

Se cada um cumprir o seu papel, o bom ambiente de trabalho propagar-se-á e todos beneficiarão.
Depois disto, só terá que repetir estas dicas todos os dias e verá como estar a trabalhar/no trabalho pode ser tão positivo!

Seja criativamente feliz :)



quarta-feira, 20 de abril de 2016

VAMOS DAR ASAS À CRIATIVIDADE COM 4 DICAS PARA CRIAR FLYERS PERFEITOS


Toda a gente já viu e pegou num flyer, mas consegue lembrar-se de algum? Ou mesmo da última vez que recebeu um? (se tiver sido hoje não conta! :)) Pois bem, se ler o nosso texto e seguir as nossas dicas irá, certamente, fugir desse “flagelo” dos flyers “sem piada”. Vamos tentar que o seu não vá para o lixo sem produzir os resultados desejados:

1 – Conhecer muito bem a finalidade da promoção, apresentação do serviço ou produto
Para “vender” melhor a sua ideia é necessário um conhecimento total do produto ou serviço que se está a trabalhar. Não basta ter noções... é preciso um conhecimento PROFUNDO de todas as características a serem promovidas e também o seu destinatário. Só assim poderá fornecer os dados essenciais para a execução de um bom trabalho – por exemplo, saber se os destinatários conhecem a marca ou não, é algo de fundamental na elaboração da proposta criativa. 

2 – Criar impacto
Frases curtas, fortes e chavões ajudam a despertar a atenção e curiosidade das pessoas. Juntar-lhe um ou mais benefícios poderá também ajudar.
As cores devem ser atraentes e o design deve ser simples e eficaz – as pessoas devem entender a mensagem de relanço, uma vez que a atenção e predisposição para reter a informação de um flyer é relativamente baixa.

3 – Qualidade nas imagens e na impressão
Não nos cansamos de repetir que o investimento em boas imagens, com qualidade, e numa excelente impressão, são muito importantes para reter a atenção e confiança do target. Flyers que deixam tinta nas mãos ou que se rasgam facilmente são, por norma, muito pouco apetecíveis – lixo com eles! A melhor qualidade é impreterível! Lembre-se do valor vs preço.

4 – Ficar na mente
Se mal feito, um flyer tem alta probabilidade de acabar no caixote do lixo ou de cair no esquecimento de um bolso do casaco, sem sequer ter sido levado em conta. - a missão de chamar a atenção falhou. 
No entanto, se seguiu os conselhos anteriores então isto não se verificará e teremos conquistado a atenção da pessoa.
Se a acção não for imediatamente despertada, existe a necessidade de que a mensagem seja suficientemente criativa e diferente, de modo a ficar na retina e na memória. Se assim for, o nosso “alvo” não deitará o flyer ao lixo e irá “dar o passo em frente” - impacto, memoria e acção, é a isso que devemos ambicionar.

Podemos acrescentar ainda uma outra dica: escolha muito bem o local ou locais onde vai disponibilizar os seus flyers. Uma decisão menos correcta poderá levar a que todos os pontos anteriores falhem!

Os flyers apresentam mais eficácia e benefícios do que aquilo que aparentam. Confie em quem sabe e invista pela certa. A sua marca merece-o!


quarta-feira, 13 de abril de 2016

A EMBALAGEM PERFEITA EM 5 PASSOS


Ninguém quer que o seu produto seja “mais um” numa qualquer prateleira de um estabelecimento comercial. Uma embalagem distinta, de qualidade e apelativa, vai ajudá-lo a destacar-se da concorrência! 
Não nos cansamos de dizer que ter o melhor produto não basta, é preciso saber comunicá-lo bem e conseguir captar a atenção das pessoas. Por esse motivo, o design de embalagens torna-se indispensável.

Tome nota de algumas dicas para criar uma embalagem vendável:

1 – Funcionalidade
É óbvio que o principal objectivo de uma embalagem é cumprir o seu propósito funcional. É para aí que o design deve caminhar. Conhecer a marca, o produto e as suas características, fará com que este processo se agilize. Ser realista, exequível, corresponder ao orçamento do cliente, e único, são outros dos objectivos a serem alcançados! Resumindo: “funcionalmente criativo”.

2 – Simplicidade
Quando está numa superfície comercial e tem uma panóplia de produtos à sua disposição, das duas três, ou compra um produto da marca que habitualmente compra ou vai pelo preço mais baixo ou então pela embalagem. Isto quer dizer que a embalagem é um factor determinante no processo de decisão da compra. Com isso em mente, a mensagem da embalagem deve ser imediatamente impactante, deve chamar-nos até ela e dizer (em sentido figurado) “pega em mim!”. Para alcançar esse estado é necessário que a mensagem seja veiculada de forma simples e instantânea. Não vale a pena complicar e usar demasiados artifícios gráficos – a simplicidade criativa é uma grande qualidade! 

3 – Não embarcar em modas
As modas são passageiras e, como tal, efémeras. Com certeza que não será essa mensagem que quererá passar. Claro que, pontualmente, poderá fazer edições especiais da sua embalagem (com algumas mudanças de fundo ou com um conceito diferente), mas as mudanças não devem ocorrer de uma forma persistente. O “design base” deverá manter-se inalterado ou apenas sofrer pequenos retoques, de forma a que a embalagem se solidifique e entre nos hábitos de consumo das pessoas. Se não criar essa “margem de segurança” será difícil conseguir criar um vínculo com o seu público.

4 – Fiel aos princípios da marca
Devemos sempre manter-nos fiel ao que a marca comunica ou quer comunicar. Uma embalagem “descontextualizada do seu ambiente” pode ser um passo rumo ao insucesso. Como tal, é fundamental um conhecimento profundo do público a que ela se destina. Este ponto não é nada fácil de ser realizado, na medida em que requer muito estudo e muita experiência na elaboração de designs de embalagens.

5 – Ser memorável e divertida
O ideal é que a embalagem seja tão marcante que a pessoa tenha a intenção de a guardar ou de coleccionar. Passa a deixar de ser apenas uma embalagem e passa a ser “A Embalagem”. Se cumprir o seu propósito funcional e lhe juntar este “plus”, então poderá dizer que a embalagem está no ponto.

Um óptimo design de embalagem fará com que mesmo as marcas menos conhecidas consigam competir com aquelas que apresentam mais reconhecimento. É uma excelente estratégia para conseguir sobressair num mundo muitíssimo competitivo. Fixe bem isto: investir na imagem é sempre um bom investimento, rumo à notoriedade.


quarta-feira, 6 de abril de 2016

ROLL UP PERFEITO? AS MELHORES DICAS ESTÃO AQUI!


Gostava de ter um roll up de arrasar? Este texto vai fazer com que as suas feiras, eventos ou até ponto de venda, nunca mais sejam os mesmos! 

Primeiro, é necessário ter em mente que o roll up tem como principal função chamar a atenção, mantendo um aspecto imponente e gracioso. A pergunta que se impõe é: como transformar o roll up em algo desse tipo? Se ler com atenção as dicas que daremos em seguida vai ficar fácil!

É importante o uso de materiais de qualidade na estrutura do roll up e também na impressão – já imaginou como daria uma má imagem da sua empresa se o roll up não aguentar e cair? Ou então se tiver pouca qualidade e rasgar? Ou se a imagem não tem qualidade? O melhor deve ser o seu ponto de partida – contente-se com o melhor.

Na altura de pensar no design do roll up tenha em mente que o logo da empresa deve estar sempre no topo - queremos dar destaque ao que realmente importa e fazer com que a nossa marca seja visível de forma clara e inequívoca.
A utilização das cores associadas à marca deve ser uma estratégia a seguir. Desengane-se se ainda acha que os tons vivos e chamativos podem ser a solução. Não são! Podem ter o feito exactamente contrário. Opte por um roll up com pinta, clean e com a informação necessária.


Se optarmos por incluir imagens, elas devem ser legíveis a uma distância considerável. No entanto, as imagens devem ter uma boa resolução, para que quando as pessoas estejam por perto não fique aquela sensação de “pixelização” (ainda que agora o PixelArt esteja na moda!).

A mensagem textual também deve estar bem visível, ser perceptível e não conter erros ortográficos. Deve utilizar palavras-chave simples, que causem impacto e ao mesmo tempo sejam informativas e esclarecedoras.

Dependendo do local onde colocamos o roll up, os contactos da empresa podem ser muito importantes. Quando fizer sentido incluí-los, faça-o – principalmente em feiras e eventos fora do seu estabelecimento comercial.

Olhe para o roll como um veiculador de mensagens. A experiência neste tipo de design é algo de muito relevante.


quarta-feira, 30 de março de 2016

CATÁLOGO DE SUCESSO!


Já se deu conta de como o catálogo de produtos pode ser um forte instrumento para aumentar as vendas? É uma óptima forma de despertar o interesse de um cliente ou potencial cliente.
Dentro da experiência que já temos na elaboração deste tipo de material publicitário, deixamos algumas dicas de como construir um eficaz catálogo de produtos! 

1 - Conhecer o produto e a marca
Antes de tudo é necessário ter um conhecimento aprofundado daquilo que se está a mostrar. Só assim se pode captar a sua essência e transmiti-la da melhor maneira. Falta de conhecimento técnico, ignorância sobre o assunto, produto ou marca, pode levar a que o catálogo não esteja ajustado, quer à sua finalidade, quer ao seu público-alvo. Este é um ponto fundamental para que tudo o resto flua e resulte.

2 - Capa
É aqui que tudo se decide. Sem uma boa capa a probabilidade de uma pessoa abrir o catálogo é baixa. Aqui é mesmo “judge a book by its cover”!
Chamativa, ajustada ao público e que desperte o interesse das pessoas para folhearem o catálogo de produtos – usemos toda a nossa criatividade para seduzir o nosso público.

3 - Estrutura
Não caia na tentação de criar um catálogo demasiado extenso. Vai dispersar a atenção das pessoas e pode resultar numa grande falha. Seguindo uma estratégia previamente definida, o importante é publicitar aquilo que realmente importa para esse plano. O formato deve ser legível, transportável e de fácil consulta.  

4 - Cuidado com as imagens
Qualidade e beleza - boas imagens geram interesse!
Escolha imagens que ilustrem bem aquilo que quer vender e enquadre-as da melhor forma. Um investimento num fotógrafo profissional é o ideal. Ele saberá como tirar as melhores fotos e como obter o melhor resultado com elas.














5 - Conteúdo textual
Ter uma excelente descrição dos produtos, num curto espaço, é o ideal – a criatividade na elaboração das descrições também ajudará o catálogo a tornar-se mais interessante.

6 - Impressão
É importante testar a impressão para verificar se não existe nenhum erro, se as cores são as correctas, se existe algum erro de paginação ou problema com as fotografias. O número de erros que podem ocorrer é grande, sendo assim é importante este teste de impressão. Por outro lado, é necessário avaliar qual é o material mais adequado onde o catálogo será impresso.

O trabalho de elaboração de um excelente catálogo de produtos não é nada simples. Deverá delegar essa obra aos profissionais com vasta experiência e que possam produzir um óptimo trabalho. Lembre-se que este é um investimento muito importante e que pode gerar um aumento de vendas de forma directa – agradar ao olhar é meio caminho para o sucesso!


quarta-feira, 23 de março de 2016

O MELHOR OVO DA PÁSCOA DE SEMPRE!



Está com vontade de ter uma aventura? Se sim, continue a ler e não se irá arrepender!
Já viu que estamos a chegar à Páscoa?! E os ovos começam a estar em todo o lado... De todas as formas e feitios, uns mais bonitos que outros... 
Não gostava de ter o ovo de Páscoa mais perfeito de todos? Nós explicamos como:

Primeiro é preciso encontrar o ovo com a forma oval perfeita. As galinhas que o põem vivem nas mais altas montanhas do Tibete e obedecem a um treino muito restrito por parte dos monges Tibetanos. O pior é que só põem ovos em anos bissextos! E, como está com sorte, estamos num ano assim. Portanto, é bom começar por conseguir um contacto na Ásia.

Por outro lado, necessitamos também de um coelho. Aqui não precisamos de ser tão rigorosos, basta ser um que viva nos verdejantes campos da Escócia.

Tendo o ovo com a forma perfeita, começamos por dar-lhe um bom banho e deixá-lo repousar da longa viagem que acabou de fazer – uma hora deve bastar, não queremos um ovo cozido! Entretanto, dê três rodelas de cenoura ao coelho (é importante que sejam só mesmo três para que ele não fique farto!) e deixe-o repousar.


Passadas estas etapas, é necessário pensar em como se vai decorar o ovo. Como fazê-lo? Esta é a “million dollar question”. Fácil, confie em nós que já levamos muitos anos disto e comece por imaginar como gostaria de decorar o ovo. Em seguida, prepare a tinta – daquelas que saem com água e que não sejam tóxicas... Não queremos maltratar o coelho nem queremos que se suje! Posto isto, pegue na pata do coelho e marque-a bem no centro do ovo – em seguida, lave bem a pata do coelho e tome conta dele para o resto da vida (esta parte é muito importante). Se seguiu todos os passos anteriores agora só tem que deixar a sua criatividade fluir e divertir-se.

Moral da história: Com as ferramentas certas, determinação e paixão é possível construir o melhor. É isso que a Q'ria Ideias faz no seu dia-a-dia! É assim que prestamos um serviço de excelência e mantemos os nossos clientes satisfeitos :)

Obrigado por nos seguirem e Boa Páscoa!!



quarta-feira, 16 de março de 2016

QUAL O NOME CERTO?

Fonte: Stickybranding.com

Nike, Ferrari, Chanel, Levi's, Apple...são nomes que toda a gente conhece e reconhece! E porquê? Bom, a resposta é óbvia: são nomes pouco complexos e de fácil memorização!
Ainda assim, raramente o processo de escolha de um nome para uma marca é algo simples - Não é, mesmo.
Essa escolha é algo que, por vezes, é muito difícil e subjectivo – não existe nenhuma fórmula matemática para escolher o nome certo.
Continue a ler e terá algumas dicas de como escolher o nome ideal para a sua marca ou novo produto!

1 – Memorável
É essencial que as pessoas associem facilmente o produto à marca e que saibam o seu nome na altura de o comprarem ou recomendá-lo. Por norma, o facto de um nome ser demasiado complicado ou difícil prejudica a marca. Ainda que existam algumas marcas que o desmentem, por exemplo a Bang and Olufsen. Mas são excepções e não devem ser regra.

Fonte: Thenextweb.com

2 – Facilidade de pronunciação/escrita
Se complicar vai ser prejudicial, tanto a nível da memorização como da pronunciação. Por outro lado, nunca deve descurar o futuro – ele poderá passar pela internacionalização, portanto isso deve ser tido em conta. Exemplo disso são marcas que usem a letra “Ç” ou acentos – são muito mais difíceis de serem exportadas.

3 – Subjectivo/Metafórico
Criar um conceito ou uma imagem mental associada pode ajudar a que a marca esteja na mente no consumidor. Por exemplo a Red Bull – Touro vermelho, força, energia...; como estamos a falar de uma bebida energética isso fará todo o sentido. No entanto, tenha cuidado com o facto de o nome se poder tornar muito restritivo. Isso poderá ser prejudicial à marca, na medida em que o mercado está sempre em mutação – ser abrangente é um jogada defensiva que lhe pode evitar muitos problemas a longo prazo, permite-lhe ter uma marca mais flexível e não tão susceptível a dificuldades que poderão surgir de possíveis mudanças futuras.

Fonte: Airnetmultimedia
4 – Prático
Pense em cartões, email, publicidade... se for um nome muito complicado vão ser criados entraves a essa parte prática também. Vão, de forma natural, existir mais erros nos contactos e nunca se sabe quando é que se pode perder um cliente por um lapso desses! Mantenha as coisas simples – ninguém quer ter um email como: empresa@nomecomplicadíssimodeperceber.com.
O naming de algo é uma etapa complexa na criação de uma marca. Lembre-se que em teoria ele o vai acompanhar durante toda a vida da marca. Pense bem, teste, veja mais à frente e trace todos os cenários possíveis para a marca em termos futuros. Não queremos que a nossa marca tenha que ser reinventada a meio do processo de consolidação porque, por exemplo, não fora previsto que seria usada neste ou naquele país; ou que o nome da nossa marca possa dar aso a interpretações erradas ou ou ter um significado diferente noutra língua.

Um bom nome vai ajudar a que a sua marca tenha um maior reconhecimento e consolidação no mercado!



quarta-feira, 9 de março de 2016

A PERSONALIZAÇÃO NAS MARCAS E PRODUTOS


Fonte: cocacolabrasil.com.br

Enfrentamos um tempo em que a diferenciação é cada vez mais relevante, convertendo-se numa tendência necessária. O standard começa, aos poucos, a deixar de fazer sentido. As marcas seguem um trajectória de adaptação dos seus produtos aos gostos de cada um. E não é assim o mundo em que vivemos? Cada vez mais sentimos necessidade de termos soluções ajustadas à nossa medida.

Vai sendo mais comum encontrarmos brindes personalizados (autocolantes Nutella, latas de Coca-Cola com nomes...), formas de criarmos um produto com o nosso toque (construir o nosso sabor de café Delta), um leque de escolhas diferente de produtos adaptados à nossa cultura (produtos de cadeias de Fast Food), artigos com um leque alargado de personalização (por exemplo diferentes cores no mesmo modelo de Smartphone ou automóveis com personalização dos acessórios). Resumindo, uma grande variedade de sabores, texturas, formas e cores estão hoje à nossa disposição. Outrora isto parecia algo muito difícil de acontecer, mas podemos considerar- nos uns privilegiados por vivermos nesta fase – os nossos gostos passam a ser “ouvidos” e importam. 

Fonte: tumblr.com


Fonte: elo7.com.br












Cada vez mais existem nichos de mercado e subculturas (vegan, fit, healthy food,…) que começam a ganhar voz e a tornarem-se importantes para quem vende.

Por outro lado, as empresas de serviços já estão a abandonar (ou já abandonaram mesmo) as soluções de pacotes. Quando possível, as soluções devem ser estudadas e aplicadas a cada problema individualmente, isto fará com que a satisfação do cliente tenda a ser bastante maior – esta “desestandarização” é benéfica para aproximar as marcas dos seus clientes (esta é a estratégia que a Q'ria adopta desde sempre). 
O passo seguinte deste conceito de personalização será a área industrial caminhar para uma estratégia semelhante à das empresas de serviços. No entanto, esses avanços são bastante mais ténues devido ao facto de os custos de produção de produtos com maior personalização ser maior. Isso, para já, e em alguns casos, também se reflecte no preço final para o cliente. Posto isto, verificamos que ainda existe um longo caminho a percorrer, mas parece que caminhamos na estrada certa.

Ainda assim, quem é que não gosta de se sentir único? Ter algo diferente? Sentir que tem um produto exclusivo? Pois é, as marcas estão a ouvir-nos e o futuro tem boas perspectivas neste campo!


quarta-feira, 2 de março de 2016

TEMPESTADE CEREBRAL

Fonte: designices.com

Retomando um pouco um assunto (processo criativo) que já aqui (5 LEIS DA MENTE CRIATIVA) não dá para associar uma hiperligação com esse link ao titulo do artigo? exploramos, decidimos dedicar este texto exclusivamente ao Brainstorming, devido à sua relevância para o processo criativo.

O Brainstorming é uma ferramenta que na Brainstorming não resultar em nada de relevante.

sua base pode ser um óptimo desbloqueador de ideias. Sistematizar conceitos e deixar o cérebro fluir podem ser as formas mais correctas para ultrapassar os desafios que nos vão sendo colocados. Esta ferramenta pode servir para praticamente tudo, desde a criação de novos produtos, novas características dos produtos, acções de comunicação...; o importante é que esse objecto esteja claro para todos os intervenientes no processo, sob pena de o

Podemos dizer que o exercício de Brainstorming é algo muito eficaz, mesmo que à primeira vista pareça algo rudimentar. De facto, é muito simples. Só precisa de pessoas, concentração e, possivelmente, um papel e uma caneta. Foque-se no problema que deverá ultrapassar e vá registando as ideias.

Fonte: stackstreet.com

Tenha em mente que o Brainstorming é um meio para atingir um fim. Ou seja, ele fornece um conjunto de ideias e sugestões que precisam de ser ainda trabalhadas como forma de se chegar à “tão querida” solução! Devemos ir “afunilando” as ideias, encadeá-las e optimizá-las ao problema que temos em mãos. Comece por ir dizendo aquilo que lhe vem à cabeça (sempre focado no objectivo final) e vá deixando de parte as ideias que não servirão o seu propósito, ouça os outros e juntos aprimorem a linha de pensamento – ideias puxam ideias e raciocínios. Neste caso quantidade pode ser qualidade.
Não tenha medo daquilo que vai dizer e, sobretudo, não deixe nada por dizer. Aí poderá estar um princípio para algo grandioso! Para uma ideia brilhante. 
Saiba ouvir os outros, não critique por criticar e saiba trabalhar em equipa – isto é fundamental para que o Braistorming engrene. 

Ainda podemos destacar outro dos benefícios que o Brainstorming apresenta: ajuda a reforçar o espírito de equipa e fomenta a boa relação entre os colegas. O colaborador acaba por se sentir valorizado, pode emitir a sua opinião e encontra-se com o mesmo nível de importância do seu superior – sente que é parte do processo criativo e que o seu toque pode fazer a diferença.

Esta ferramenta poderá ainda servir como ajuda para resolução de outros problemas que não aquele em que estamos focados no momento; ou até poderá, em última instância, resultar numa ideia que dê aso a um novo projecto ou desafio! Nunca devemos descartar uma ideia, mesmo que no momento ela possa parecer descabida – nunca se sabe em que momento pode ser útil. 
Insistimos, nunca deixe de guardar as ideias!

Avalie os prós e os contras e decida o melhor para vencer. Registe isto: criatividade e inovação podem nascer de um bom Brainstorming!


quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

A ARTE DE ATENDER BEM O CLIENTE


É óbvio que o cliente deve ser atendido da melhor maneira! Ainda assim, nem sempre isso acontece... Todos nós alguma vez já sentimos que não fomos atendidos da melhor forma…ou como queríamos! Neste artigo sistematizamos algumas dicas fundamentais para que esse atendimento seja o mais positivo e eficiente possível:

1 – Saiba ouvir
É meio caminho andado! O pior que pode fazer ao seu cliente é ignorar aquilo que ele diz ou solicita. Lembre-se de se colocar do outro lado... a empatia é essencial.
Ter uma escuta activa vai ajudar a que tudo seja mais fluído e eficaz. Ouça tudo aquilo que o cliente tem para dizer, processe a informação e tente dar seguimento/”arranjar” solução ao problema/questão.
Por outro lado, tenha em mente isto: Quem gosta de ser ignorado? - Ninguém. É frustrante e leva a que as pessoas se exaltem ou que procurem resolver o seu problema ou suprimir a sua necessidade noutro lado (na concorrência por exemplo). Seja atento e simpático. Recorde-se que um cliente insatisfeito pode levar muitos outros atrás.

2 – Trabalhe em prol da satisfação do cliente
O seu foco deve ser a resolução do problema do cliente ou dar seguimento a algo que ele propõe. Diga sempre a verdade e torne o diálogo cordial. Não tente “passar-lhe a perna” ou esconder problemas... ser verdadeiro é uma qualidade muito valorizada.
Seja paciente e vá de encontro ao que é pedido, faça-o em tempo útil (uma espera demasiado grande pode ser “fatal”). Trabalhar com objectivos bem definidos e com o entendimento total do seu cliente vai ajudá-lo a ter um reconhecimento maior do seu trabalho e do seu valor. Pelo menos, em teoria, atenderá da melhor forma a necessidade ou problema, do seu cliente.

3 – Respeite para ser respeitado
Não desvalorize nenhum cliente. Todos eles são importantes. Tente adaptar o seu discurso ao interlocutor que tem diante de si. Faça-o sentir-se valorizado e com importância e não como uma perda de tempo – não ser “mais um”, um número. Faça os possíveis para que ele saia satisfeito e com boa imagem da sua empresa/marca.

4 – Obtenha feedback e aprimore a sua relação com o cliente
Obter feedback é fundamental para termos noção de como está a correr o atendimento ao cliente. Isso também decorre (e muito) da experiência que vamos adquirindo ao lidar com este ou aquele cliente. A personalização de tratamento é das coisas mais valorizadas pelas pessoas em geral. Aposte no atendimento personalizado.
Não se esqueça de se manter informado e de se ir apercebendo de pormenores que podem ser aperfeiçoados e que resultarão numa melhoria do tratamento do cliente.

Os clientes são aqueles que vão dar valor ao seu trabalho, que fazem crescer a sua marca ou empresa. É muito importante ter sempre o cliente do seu lado e não contra si. Se o cliente for bem tratado ele vai acabar por voltar e, por ventura, não voltará sozinho. Este é o nosso conselho, que muito estimamos os nossos clientes e já temos alguns “anos disto”.